Heidegger em 90 minutos, por Paul Strathern




O debate do início é um dos que me interessa: a matemática foi inventada ou descoberta? E outro: o mundo ser investigado por outras ferramentas além daquelas da ciência e da psicologia.

Não sei bem o que pensar da fenomenologia e de Edmund Husserl. Para ser honesta, também não sei o que pensar de Heidegger.

E quanto ao existencialismo? Gosto um pouco do Kierkegaard e quanto aos outros talvez eu não tenha lido o suficiente. Eu provavelmente fiquei tão mergulhada no estudo das filosofias medieval e moderna nesses últimos anos que às vezes acabo não indo muito a fundo nos filósofos do século XX (com exceção de David Lewis e Deleuze).

Uma outra reflexão: até que ponto um autor pode ser separado de sua obra? Por exemplo, o fato de Rousseau ter defendido educação e ter abandonado os filhos?

Heidegger flertou com o nazismo. Claro que para quem viveu naqueles tempos era difícil ter uma visão do que estava acontecendo como nós temos hoje. De qualquer forma, já pensei sobre isso em outras épocas da minha vida, mas não cheguei a nenhuma conclusão.

Por exemplo, vamos supor que eu escreva ótimos livros sobre amizade, mas não tenha amigos ou trate meus poucos amigos extremamente mal. Isso é algo a ser criticado? Isso pode impactar nos meus livros teóricos sobre amizade, ou mesmo na minha capacidade de escrever histórias mostrando boas amizades?

Não sei. Talvez seja fácil julgar as pessoas de longe e não percebermos os nossos próprios erros. No final, enchi esse post de perguntas, mas vejo a mim mesma incapaz de fornecer respostas.




Comentários