Silêncio, por Shusaku Endo




Demorei para terminar de ler, em parte porque a narrativa era lenta, com muitas descrições. Mas o glorioso capítulo 8 fez valer todo o esforço.

Finalmente entendi o raciocínio que levou o padre Rodrigues a apostatar. Não era só para salvar os cristãos da morte. Ao se recusar a pisar na Fumi-e, ele não queria trair Deus porque queria salvar a sua alma. Sendo assim, "até Cristo teria pisado".

É um raciocínio muito sutil, mas achei genial. E o autor guardou essa revelação sublime para o último minuto, que representou o ápice de sua obra.



Comentários

  1. Não li o livro, mas gostei muito do filme. Aliás, achei quase que uma "continuação" de "A Última Tentação de Cristo", do mesmo Scorsese :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filme é ótimo! Acho que a ideia geral por trás da história é, além da questão do choque entre culturas, ressaltar a importância de Judas e de que é fácil amar os bons, mas difícil mesmo é amar os maus. O Scorsese, mesmo sendo um diretor consagrado, ainda hoje consegue mostrar amadurecimento de um filme para outro.

      Excluir

Postar um comentário