Corte de Espinhos e Rosas, por Sarah J. Maas




Terminei de ler hoje esse livro de 434 páginas que comprei no sábado. O motivo de eu tê-lo comprado é que vi na Amazon que leitores de "Six of Crows" também adquiriam esse livro. 

Foi uma boa leitura que prende. No entanto, não irei adquirir o segundo volume, que encerra a duologia. Até fiquei um pouquinho curiosa, mas tenho muita coisa para ler agora, principalmente a conclusão da Trilogia Grisha.

Não é minha primeira vez lendo livros de fantasia escritos por autoras mulheres com protagonistas femininas. Eu já tinha lido a Trilogia do Mago Negro de Trudi Canavan e outros que não lembro agora.

Eu estava pensando que essas listas com os melhores livros de fantasia, como os do site Best Fantasy, costumam conter pouquíssimas autoras mulheres não porque elas escrevem poucos livros de fantasia. Ao contrário, há uma quantidade inacreditável de mulheres escrevendo livros desse tipo. O motivo de poucas mulheres estarem nos rankings é, creio eu, que tais rankings geralmente são elaborados por homens, que certamente possuem um gosto diferente para livros.

Nada de errado nisso, é claro. É normal que mulheres se identifiquem mais com livros contendo protagonistas femininas (muitas vezes rodeadas de homens) e também é totalmente aceitável que homens se identifiquem mais com livros contendo protagonistas homens (alguns deles com quase ausência de mulheres importantes além da mãe, irmã ou amante). 

Evidentemente, há fãs de todos os tipos nos mais variados gêneros de literatura. É engraçado que geralmente a mulher idealizada pelos autores homens heterossexuais tem que ser apenas jovem, bonita e peituda (não importa muito se é burra, não tem habilidades, é pobre, etc). Enquanto isso, o homem idealizado pelas autoras mulheres heteros não basta ser jovem e bonito. Ele também tem que ser imortal (um vampiro, um alien, uma fada, um anjo, um Deus, etc) com uns 500 anos e corpinho de 20, tem que ser PODRE de rico (não basta ser rico, tem que ser bilionário), muito inteligente, habilidoso e frequentemente um pouco cruel.

Disso eu concluo que as mulheres são ridiculamente exigentes para homens. Contanto que isso se mantenha apenas no campo da idealização e as mulheres não transfiram essas fantasias para a vida real, tudo bem.

Mesmo assim, não deixa de ser fascinante observar como as jovens autoras mulheres escrevem seus livros. Pode ser engraçado um comentário desses vir de mim, já que me encaixo na categoria "autora mulher", mas como a maior parte dos livros que já li foram escritos por homens, eu acabo tentando imitar o estilo que leio. Espero que agora que estou lendo mais livros escritos por mulheres eu possa me inspirar em escrever coisas que também apelem mais para um público feminino.

Estou aprendendo. Acho muito interessante ver as minuciosas descrições de cenas de sexo escritas por mulheres. É diferente dos detalhes que os homens escolhem ressaltar nas mesmas cenas. Eu sinceramente fiquei maluca com aquela cena do "Sombra e Ossos" hahaha! 

Em "Corte de Espinhos e Rosas" também é curioso como há uma mulher extremamente poderosa que mantém homens como reféns, que devem se submeter a ela até como escravos sexuais (a ponto de um personagem ser conhecido como "a vadia" dela). Mas acho que há um bom equilíbrio de poder entre homens e mulheres no livro, que achei que ficou legal.


Comentários